link para página principal link para página principal
Brasília, 29 de agosto de 2016 - 18:33
Notícias STF Imprimir
Quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Ministro suspende restrição de emolumentos pagos a titular afastada de cartório no PI

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Dias Toffoli suspendeu decisão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) na parte em que restringiu ao teto constitucional os valores repassados à titular afastada do Cartório do 6º Ofício de Notas de Teresina (PI), Maria Amélia Martins Araujo de Area Leão.

De acordo com o Mandado de Segurança (MS 29192) impetrado na Corte pelo advogado de Maria Amélia, a Resolução 80/2009, do CNJ, que determinou a vacância de diversos cartórios ocupados por titulares sem concurso público e que os atuais responsáveis passassem à condição de interinos até que fossem substituídos por outros, aprovados em concursos específicos.

O CNJ concluiu, por fim, que estes interinos deveriam ser remunerados atendendo aos limites estabelecidos pela Constituição para a administração pública, explicou o advogado. Assim, nenhum responsável poderia obter remuneração superior a 90,25% do subsídio do ministro do STF, em respeito ao artigo 37, inciso XI, da Constituição de 1988, concluiu a defesa, pedindo a suspensão liminar da eficácia do ato questionado.

Concurso

Quanto ao afastamento dos titulares não concursados, explicou o ministro, a jurisprudência do Supremo “é repulsiva da ideia de se reconhecer direito adquirido à titularidade de cartórios, sem prévio concurso público, como parece ser o caso da impetrante, mesmo que por ato de natureza legal”.

Competência

Porém, ao analisar a questão do limite dos emolumentos, o ministro disse assistir razão à autora do MS. Nesse sentido, Toffoli citou decisão da ministra Cármen Lúcia na cautelar pedida no MS 29109, quando decidiu que, ao limitar a renda recebida pelo impetrante, “parece, nesse juízo precário de delibação, ter o CNJ atuado além de sua competência constitucional”.

Toffoli citou, também, decisão do ministro Marco Aurélio no MS 29027, no ponto em que diz que o recurso administrativo no CNJ não tem eficácia suspensiva, “sendo certo que a parte foi alcançada pela restrição aos valores repassados a título de emolumento como ato contrário ao direito”.

“Ao meu ver, o problema reside na extrapolação aparente de limites de competência do CNJ, conquanto a ideia em si de uma limitação de ganhos do serviço notarial ou registral não seja má”, disse o ministro Toffoli em sua decisão. Ocorre, porém, frisou o relator, “que se está em sede de liminar e milita em favor da parte o fumus boni iuris”.

Ao conceder a liminar, o ministro fez questão de ressaltar que se houver uma decisão final contrária à autora, a parte deverá assumir, por sua conta e risco, a responsabilidade pelo ressarcimento de valores recebidos.

MB/AL

Processos relacionados
MS 29192


<< Voltar
 
Praça dos Três Poderes - Brasília - DF - CEP 70175-900 Telefone: 55.61.3217.3000 | Telefones Úteis | STF Push | Canais RSS
Seu navegador n&atilde;o suporta frames.