link para página principal link para página principal
Brasília, 17 de agosto de 2019 - 08:07
Notícias STF Imprimir
Terça-feira, 28 de junho de 2011

Negado HC de acusada de envolvimento na morte de compositor norte-americano

Em decisão unânime, a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) negou o pedido de Habeas Corpus (HC 94226) impetrado em defesa de R.F.C.R., acusada de envolvimento no assassinato de um compositor norte-americano.

A defesa apontou ofensa à garantia do juiz natural alegando que o processo não poderia ter sido enviado para o Tribunal do Júri de São José dos Campos (SP). Antes, o processo passou pelo juiz da 1ª Vara Criminal do município, que se declarou incompetente para analisar o caso porque o crime teria sido doloso contra a vida. Nesses casos, a competência é do Tribunal do Júri.

Originalmente, R.F.C.R. foi denunciada pelo Ministério Público por latrocínio e ocultação de cadáver. Em outubro de 2006, e concordando com a decisão do juiz de São José dos Campos que determinou a competência do júri popular para julgar o delito, o Ministério Público aditou a denúncia contra ela e demais corréus, que passaram a responder pelos crimes de roubo, homicídio qualificado e ocultação de cadáver do compositor norte-americano. A denúncia já foi recebida pelo juízo do Tribunal do Júri.

Para a defesa, o magistrado não poderia corrigir eventual erro na classificação da conduta senão quando da prolação da sentença. Pretendia, portanto, que o STF determinasse a remessa do processo à vara criminal comum, onde a denúncia foi inicialmente oferecida.

Ao negar o pedido da defesa, o relator do habeas corpus, ministro Ayres Britto, afirmou que ao MP compete a imputação do fato-crime. “O denunciado defende-se de fatos, e não do enquadramento legal da conduta a ele imputada”, disse, acrescentando que eventual equívoco na tipificação do ato denunciado não é causa de inépcia da denúncia, especialmente porque a lei prevê o aditamento da peça acusatória.

O relator explicou que o caso dos autos envolve a fixação da competência do juízo comum ou do Tribunal do Júri para o exame da causa. Ele citou decisão do Supremo no HC 84653, na qual ficou determinado que o juiz pode ajustar a tipificação do ato tido como criminoso quando a fixação da competência para julgamento depende disso.

O ministro Ayres Britto acrescentou que o novo enquadramento técnico dos delitos é inclusive mais benéfico à acusada. “Basta para isso conferir as penas cominadas aos delitos de homicídio e latrocínio”, disse, ao constatar que o crime de homicídio tem pena de 12 a 30 anos, enquanto o crime de latrocínio tem pena de 20 a 30 anos de reclusão.

RR/AD//GAB

11/04/08 - Indeferida liminar para acusada de envolvimento na morte de compositor norte-americano



<< Voltar
 
Praça dos Três Poderes - Brasília - DF - CEP 70175-900 Telefone: 55.61.3217.3000 | Telefones Úteis | STF Push | Canais RSS
Seu navegador n&atilde;o suporta frames.