link para página principal link para página principal
Brasília, 14 de outubro de 2019 - 03:28
Notícias STF Imprimir
Quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Programas Refrão e Artigo 5º serão exibidos hoje pela TV Justiça

Refrão recebe Orquestra de Violões Oficina
Um violão encanta muita gente. Vários violões, então, seduzem muito mais! Esse é o caso da Orquestra de Violões Oficina, um projeto coordenado pelo músico Ulisses Higino na cidade de Taguatinga, a 21 km de Brasília (DF). A Orquestra foi a forma encontrada por Ulisses para levar boa música à comunidade de graça: quatro vezes ao ano, Higino e seus alunos fazem apresentações em teatros públicos, shoppings e asilos. “Música é pra fazer bem pra vida, pra quem toca e pra quem ouve”, resume Ulisses Higino no Refrão desta semana.

Segundo Ulisses, as apresentações costumam contar com aproximadamente 50 violões. Além dos violonistas, a Orquestra Oficina também leva aos palcos um baixo e uma percussão eletrônica. O repertório é variado: baião, rock, MPB e bossa nova. Em nosso programa, a Oficina de Violões mostra toda a sua versatilidade ao tocar canções consagradas da música brasileira, como Asa Branca (Luiz Gonzaga), Que País é Esse? (Legião Urbana), Pingos de Amor (Paulo Diniz) e Anunciação (Alceu Valença).

E no quadro Pauta Musical, o produtor cultural Aluízio Falcão fala sobre dois nomes marcantes da MPB, ambos nascidos no Nordeste: Djavan e Alceu Valença. Você não pode perder o Refrão com a Orquestra de Violões Oficina e a análise de Aluízio Falcão sobre nossa música. O programa é nesta quarta-feira, às 20h. Horários alternativos: quinta-feira, 13h30; sábado, 13h30; domingo, 23h; e segunda-feira, 13h30.

Refrão, um jeito diferente de ouvir música!

Programa Artigo 5º discute Mediação, Conciliação e Arbitragem
O artigo 5º da Constituição determina: todos têm direito, tanto no âmbito judicial quanto administrativo, a processos com duração razoável e a meios que possam garantir rapidez e agilidade à tramitação dessas ações. Esse é o tema do programa Artigo 5º desta semana, que aborda medidas que ajudam a acelerar a Justiça, como a mediação, a conciliação e a arbitragem.  

O tema é discutido pela jornalista e apresentadora Flávia Metzker com Pedro Yung Tay e Tadashi Ramoa Mae. Juiz auxiliar da Corregedoria do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios, Pedro Yung Tay é pós-graduado em Direito Processual Civil, Direito Penal e Processo Penal. Ele também é o juiz titular da Segunda Vara Criminal de Ceilândia (DF). O presidente da Câmara Arbitral do Distrito Federal, Tadashi Ramoa Mae, é empresário e tem formação em análise de sistemas. Ele atua como árbitro desde 2006.
O Artigo 5º inédito é exibido toda quarta-feira, às 21 horas, na TV Justiça. Horários alternativos: quinta-feira, 12h30; sábado, 12h30; domingo, 18 horas; segunda-feira, 19h; e terça-feira, 12h30.

Grandes Julgamentos do STF destaca ação sobre marcha da maconha
O reconhecimento da legalidade da marcha da maconha, evento que reúne manifestantes em defesa da descriminalização da droga no Brasil, é o tema desta semana do programa Grandes Julgamentos do STF. Por unanimidade, o plenário do Supremo se manifestou favoravelmente a essas passeatas. Em junho de 2011, os ministros entenderam que os direitos constitucionais de reunião e de livre expressão do pensamento garantem a realização dessas marchas.

O programa exibe trechos do voto do relator do processo, ministro Celso de Mello, que, em mais de duas horas, defendeu que as marchas são legais sob o ponto vista jurídico e não fazem apologia ao crime. O voto dele foi seguido por todos os ministros da Corte. O Grande Julgamentos mostra ainda o posicionamento de especialistas que atuam na educação e no combate às drogas; a opinião da sociedade sobre esses movimentos; a história das marchas da maconha no Brasil e no mundo; e a comemoração de pessoas favoráveis à marcha após a decisão do Supremo.

O Grandes Julgamentos do STF vai ao ar nesta sexta-feira, às 20 horas. Horários alternativos: segunda, 01h; quarta, 9h; sábado, 9h30.

Sessão Cinemateca exibe Barravento
Produzido entre 1959 e 1962, o longa-metragem nacional Barravento está em cartaz na Sessão Cinemateca desta semana. O filme é um marco do Cinema Novo e é dirigido pelo destacado e polêmico cineasta Glauber Rocha. O longa marcou a estreia dele e de Trigueirinho Neto na sétima arte.

Barravento é bastante elogiado pela crítica nos quesitos fotografia e luz. No elenco, Antônio Pitanga atuando em plena juventude como Firmino; Luiza Maranhão (Cota); Lucy Carvalho (Naína); Aldo Teixeira (Aruã); Lídio Cirillo dos Santos (Mestre); Rosalvo Plínio e outros. Barravento tem classificação indicativa de 12 anos.

A obra é cultuada por cinéfilos de todo o mundo. A história é sobre o retorno de Firmino, um antigo morador da vila, à terra de origem. Chega com ares, hábitos, e noções da cidade grande, bem diferentes da realidade da aldeia. O panorama que encontra é o estado limite de sobrevivência de todos, graças às condições de trabalho. Aliado a essa condição, o misticismo emerge como principal elemento da vida da comunidade, que atribui todos os males a forças mágicas e reserva sua solução às divindades. Ao homem, resta apenas a resignação e o apelo aos deuses como forma de luta.

A Sessão Cinemateca vai ao ar nesta sexta-feira, às 21h, e no domingo, às 18h30.



<< Voltar
 
Praça dos Três Poderes - Brasília - DF - CEP 70175-900 Telefone: 55.61.3217.3000 | Telefones Úteis | STF Push | Canais RSS
Seu navegador n&atilde;o suporta frames.