link para página principal link para página principal
Brasília, 25 de julho de 2014 - 07:31
Notícias STF Imprimir
Segunda-feira, 14 de maio de 2012

Representante de fundação afirma que será “retrocesso” se Lei Seca for declarada inconstitucional

Representando a Fundação Thiago Moraes Gonzaga, de Porto Alegre, o advogado Maximiliano Telesca Mota destacou hoje (14) na audiência pública do Supremo Tribunal Federal (STF) que discute a Lei 11.705/08, conhecida como Lei Seca, que a norma é o início da mudança para a existência de um trânsito seguro no Brasil. “A Lei Seca é do bem e não prejudica a livre iniciativa, que se adequará à nova realidade. Será um retrocesso se o Supremo Tribunal Federal não chancelá-la”, sustentou.

Mota lembrou que há até pouco tempo era permitido fumar nos aviões. “Hoje não se consegue conceber como isso era permitido. A marcha inexorável da história vai conduzir ao óbvio de que beber e dirigir são coisas incompatíveis no atual sistema de prevenção e de tráfego seguro”, assinalou.

A Fundação Thiago de Moraes Gonzaga foi criada em 1996 e tem como objetivo a conscientização da população em relação ao perigo de dirigir depois de ingerir bebida alcoólica, por meio do projeto Vida Urgente.

RP/EH



<< Voltar
Enviar esta notícia para um amigo
 
Praça dos Três Poderes - Brasília - DF - CEP 70175-900 Telefone: 55.61.3217.3000 | Telefones Úteis | STF Push | Canais RSS
Seu navegador n&atilde;o suporta frames.