link para página principal link para página principal
Brasília, 27 de maio de 2017 - 21:53
Notícias STF Imprimir
Sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Questionada lei de TO que impõe contribuição a militares para fundo de assistência social

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ajuizou Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI 5368), no Supremo Tribunal Federal (STF), contra dispositivo da Lei estadual 2.578/2012, do Tocantins, que institui contribuição compulsória por parte de policiais e bombeiros militares do estado para compor fundo de assistência.

De acordo com o parágrafo 2º do artigo 156 da lei estadual, que trata das contribuições compulsórias, os militares ativos e inativos têm que contribuir com 0,5% do subsídio do posto ou da graduação para o custeio de serviços de saúde (odontologia, medicina, fisioterapia, psicologia, assistência hospitalar e exames complementares de diagnósticos).

Para Janot, esse dispositivo da lei tocantinense viola o artigo 149 (caput e parágrafo primeiro) da Constituição Federal, o qual dispõe que “compete exclusivamente à União instituir contribuições sociais”, com exceção de regime previdenciário para servidores públicos e custeio de serviço de iluminação pública. O que não se aplica ao caso, uma vez que a norma questionada não trata dessas exceções, sustenta o procurador-geral.

Dessa forma, a ADI pede a concessão de medida cautelar para suspender a eficácia do artigo 156, parágrafo 2º, da Lei 2.578/2012, do Estado do Tocantins e, no mérito, a declaração de inconstitucionalidade do dispositivo.

O relator da ação é o ministro Luiz Fux.

FS/CR
 

Processos relacionados
ADI 5368


<< Voltar
 
Praça dos Três Poderes - Brasília - DF - CEP 70175-900 Telefone: 55.61.3217.3000 | Telefones Úteis | STF Push | Canais RSS
Seu navegador n&atilde;o suporta frames.