link para página principal link para página principal
Brasília, 12 de dezembro de 2019 - 03:50
Notícias STF Imprimir
Sexta-feira, 02 de junho de 2017

Criptografia de ponta a ponta é inviolável, afirma co-fundador do WhatsApp

O engenheiro Brian Acton, co-fundador da WhatsApp Inc. iniciou sua explanação afirmando que fez questão de vir pessoalmente à audiência pública iniciada nesta sexta-feira (2), no Supremo Tribunal Federal, para defender o sistema de criptografia ponta a ponta utilizado pelo aplicativo.
Ele afirmou que os pilares do sistema são segurança e acessibilidade e que o sistema é inviolável, até mesmo por parte do próprio WhatsApp. “Vim pessoalmente porque o Brasil é muito importante para o WhatsApp e o WhatsApp é importante para o Brasil”, disse Brian ao informar que o país tem 120 milhões de usuários do aplicativo.

Na avaliação do engenheiro, a criptografia de ponta a ponta faz com que mais de um bilhão de pessoas se comuniquem sem medo em todo o mundo, razão pela qual investiram no melhor sistema disponível atualmente. Ele afirmou que as chaves que integram o sistema não podem ser interceptadas e apresentou aos participantes um diagrama para demonstrar como funciona a criptografia de ponta a ponta em uma conversa. “As chaves relativas a uma conversa são restritas aos interlocutores dessa conversa. Ninguém tem acesso, nem o WhatsApp”, ressaltando que a chave muda a cada mensagem enviada.

Brian Acton respondeu às questões elaboradas pelo relator da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 403, ministro Edson Fachin, quando da convocação da audiência pública para discutir bloqueios judiciais ao WhatsApp. E afirmou que as mensagens já transmitidas não podem ter a criptografia retirada, que não há como interceptar conteúdo legível, porque o aplicativo não tem acesso às chaves privadas dos usuários, “porque isso ocorre somente no telefone dos usuários com chaves próprias a eles”, afirmou, e que o WhatsApp só pode mandar mensagens criptografadas.

“Não há como tirar [a criptografia] para um usuário especifico, a não ser que se inutilize o WhatsApp para ele” e acrescentou que a única forma de desativar a criptografia para um usuário, seria desativar para todos, afirmando que qualquer hacker poderia ter acesso a bilhões de conversas caso isso ocorresse.

O engenheiro relatou aos participantes da audiência sua trajetória profissional, desde quando era ainda estudante universitário na Califórnia (EUA) e como conheceu Jam Koum, nascido em uma região pobre na Ucrânia, país onde as conversas eram controladas pelo governo, e que se tornou seu sócio e co-fundador do WhatsApp em 2009.

AR/EH



<< Voltar
 
Praça dos Três Poderes - Brasília - DF - CEP 70175-900 Telefone: 55.61.3217.3000 | Telefones Úteis | STF Push | Canais RSS
Seu navegador n&atilde;o suporta frames.