link para página principal link para página principal
Brasília, 1 de abril de 2020 - 08:39
Pautas de Julgamento Imprimir

Voltar aos resultados Obtidos

PROCESSO

AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE 5538

ORIGEM:   DF
RELATOR(A):   MIN. ALEXANDRE DE MORAES
REDATOR(A) PARA ACORDAO:  

REQTE.(S):   PARTIDO VERDE
ADV.(A/S):   MICHEL DA SILVA ALVES
REQTE.(S):   DEMOCRATAS - DIRETORIO NACIONAL
ADV.(A/S):   RICARDO MARTINS JUNIOR
INTDO.(A/S):   PRESIDENTE DA REPÚBLICA
ADV.(A/S):   ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO
INTDO.(A/S):   CONGRESSO NACIONAL
ADV.(A/S):   ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO
AM. CURIAE.:   SINDICATO DOS GUARDAS MUNICIPAIS DO ESTADO DO MARANHÃO - SIGMEMA
AM. CURIAE.:   SINDICATO DOS SERVIDORES DA GUARDA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DE RIBAMAR
ADV.(A/S):   IONARA PINHEIRO BISPO
ADV.(A/S):   FABRÍCIO MEDEIROS
ADV.(A/S):   MARCOS PAULO JORGE

PAUTA TEMÁTICA

PAUTA:   P.20   SEPARAÇÃO DE PODERES E FEDERAÇÃO
TEMA:   COMPETÊNCIA LEGISLATIVA  
SUB-TEMA:   MATERIAL BÉLICO

OUTRAS INFORMAÇÕES



TEMA DO PROCESSO

  1. Tema
    1. Trata-se de ação direta de inconstitucionalidade, com pedido de medida cautelar, em face do art. 6º, inciso IV, e de expressões do inciso III, da Lei nº 10.826/2003 (Estatuto do Desarmamento), que regulam o porte de arma para guardas municipais, e que possuem a seguinte redação:

    Art. 6º É proibido o porte de arma de fogo em todo o território nacional, salvo para os casos previstos em legislação própria e para:
    III - os integrantes das guardas municipais das capitais dos Estados e dos Municípios com mais de 500.000 (quinhentos mil) habitantes, nas condições estabelecidas no regulamento desta Lei;
    IV - os integrantes das guardas municipais dos Municípios com mais de 50.000 (cinqüenta mil) e menos de 500.000 (quinhentos mil) habitantes, quando em serviço.

    2. O Partido Verde/PV alega que as normas impugnadas violam o princípio da isonomia e o pacto federativo ao conferir tratamento distinto ao porte de arma de fogo de guardas municipais, com base no contingente populacional dos municípios. Alega que o "número de habitantes é um critério falho e inidôneo para saber se o Guarda pode ou não se armar, em serviço ou fora dele, pois, a população de uma Cidade é imprecisa e flutuante e ela por si só não garante um número grande ou pequeno de crimes". Aduz que "assim como ocorrem crimes, atentados e conflitos em cidades grandes, da mesma forma acontecem nos pequenos povoados".

    3. Adotou-se o rito do art. 12 da Lei n° 9.868/99.

    4. O presidente da República manifestou-se pela improcedência do pedido. Afirma que "o Congresso Nacional optou por proibir o porte de armas de fogo por integrantes das guardas de Municípios com menos de cinquenta mil habitantes, permitindo, de outro lado, que membros das guardas de Municípios com mais de cinquenta mil e menos de quinhentos mil habitantes portem armas, quando em serviço, a partir daquela necessidade de exercer controle mais rígido de armas de fogo, para a segurança da população".

    5. O Senado Federal manifestou-se, preliminarmente, pela extinção da ação, sem julgamento do mérito, por falta de interesse processual. No mérito, manifestou-se pela improcedência do pedido.

    6. Foram admitidos como 'amici curiae' o Sindicato dos Guardas Municipais do Maranhão/SIGMEMA e o Sindicato dos Servidores da Guarda Municipal de São José de Ribamar/SindGuarda.

  2. Tese
    ESTATUTO DO DESARMAMENTO. PORTE DE ARMA DE FOGO POR INTEGRANTES DAS GUARDAS MUNICIPAIS. RESTRIÇÃO. DISPOSIÇÕES LEGAIS QUE AUTORIZAM O PORTE DE ARMA AOS INTEGRANTES DA GUARDAS MUNICIPAIS DAS CAPITAIS DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS COM MAIS DE 500.000 HABITANTES E DAS GUARDAS MUNICIPAIS DOS MUNICÍPIOS COM MAIS DE 50.000 E MENOS DE 500.000 HABITANTES, QUANDO EM SERVIÇO. ALEGADA OFENSA AO PRINCÍPIO DA ISONOMIA E AO PACTO FEDERATIVO. LEI N° 10.826/2003, ART. 6°, III E IV. CF/88, ARTS. 5°, CAPUT; 18, CAPUT; 19; III; E 29.

    Saber se os dispositivos impugnados, ao estabelecerem restrições ao porte de arma de fogo por guardas municipais, ofendem o princípio da isonomia e o pacto federativo.

  3. Parecer da PGR
    Pela improcedência do pedido.

  4. Parecer da AGU
    Pelo não conhecimento da ação direta e, no mérito, pela improcedência do pedido.

  5. Informações
    Processo incluído em pauta em pauta de julgamento publicada no DJE em 11/02/2018.
    Processo apensado a ADI 5.938

 
 
Praça dos Três Poderes - Brasília - DF - CEP 70175-900 Telefone: 55.61.3217.3000 | Telefones Úteis | STF Push | Canais RSS
Seu navegador não suporta frames.